Abihpec

Média diária de exportação cai 10% no mês




O comportamento do comércio exterior brasileiro está, em abril, abaixo das expectativas do próprio governo. A ligeira alta das exportações na terceira semana de abril foi insuficiente para evitar que a média diária das vendas ao exterior caísse, nos primeiros 22 dias do mês, mais de 10% em relação às três primeiras semanas de abril de 2011. A retração nas vendas açúcar, alumínio e óleo de soja em bruto, principalmente, derrubou em quase 14% as exportações de semimanufaturados – segmento de pior desempenho no mês, até agora – na mesma comparação. Com o desempenho do comércio, a diferença entre exportações e importações resultou em saldo positivo de US$ 103 milhões, insuficiente para compensar o mau desempenho da primeira semana do mês. A balança comercial, até sexta-feira passada, somava déficit de US$ 177 milhões. No ano, o país tem saldo positivo de US$ 2,26 bilhões, pouco mais da metade dos US$ 4,2 bilhões registrados em igual período do ano passado. O que chama a atenção de especialistas, como o vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, é o fato que, em abril há, tradicionalmente, uma alta forte nas exportações; o aumento de apenas 4,4% na média diária, registrado desde o começo do ano nas vendas externas, se explica fundamentalmente por fatores pontuais, como a antecipação de embarques de soja e uma operação isolada de venda de energia elétrica à Argentina, acredita ele. “Não fosse por esses fatores excepcionais, que não se repetem, estaríamos praticamente sem nenhum aumento nas exportações, até agora”, disse o vice-presidente da AEB. O que salvou o saldo da balança comercial foi o comportamento também medíocre das importações, com a desvalorização do real e a desaceleração da economia. As compras de produtos no exterior ficaram, em média, iguais às de abril do ano passado, em menos de US$ 965 milhões diários, embora tenham subido 12% em relação aos valores de março deste ano. O que mais subiu, entre as compras no exterior, foram as importações de combustíveis e lubrificantes (60% a mais que em março, 25% acima de abril de 2011). As importações de siderúrgicos e farmacêuticos ficaram, ambas, mais de 9% superiores ao registrado em abril do ano passado. Comparadas as médias diárias de 2012, até a semana passada, e do mesmo período no ano passado, as importações totais cresceram 8,3%. O comportamento negativo de algumas das principais commodities de exportação – soja, minério de ferro e café – foi a maior razão da queda de quase 13% nas exportações de produtos básicos, segundo o Ministério do Desenvolvimento. Para Castro, os dados do comércio exterior ainda são insuficientes para traçar a tendência neste ano e ele mantém a previsão – uma das mais pessimistas do mercado – de US$ 3 bilhões de saldo positivo na balança comercial deste ano. O governo monitora com preocupação os dados do comércio. Ainda é cedo para saber se mostrarão algum reflexo da recente valorização do dólar e das medidas de estímulo à indústria anunciadas no início do ano pela presidente Dilma Rousseff. “O resultado do comércio exterior está claramente dependente da atuação das commodities, não tem vida própria”, avalia Castro. Nessas condições, a instabilidade na Europa é motivo de forte preocupação, alerta o especialista. (Fonte: Valor Econômico)

Abihpec © Copyright 2015 | desenvolvido por